Novas tecnologias podem aumentar em mais de 30% produtividade da cana até 2040 e evitar aumento de área plantada

Até 2040, as novas tecnologias a serem disponibilizadas pela ciência da cana brasileira podem elevar a produtividade média do setor entre 33%, passando de 75 toneladas por hectare para 100 toneladas por hectare. A projeção é Centro de Tecnologia Canavieira (CTC).

O crescimento da produtividade poderá gerar um adicional de 22 milhões de CBIos (Crédito de Descarbonização de Biocombustíveis) no período.

Criada em 2017, a Política Nacional de Biocombustíveis (Renovabio) está ajudando o país a atingir as metas de redução das emissões de CO2. Cada CBIo representa uma tonelada de CO2 que deixou de ser emitida quando comparada ao combustível fóssil. A meta de descarbonização definida pelo Governo para o ano de 2023 é de 37,47 milhões de CBIos.

De acordo com o Relatório de Sustentabilidade do CTC, o aumento da produtividade poderá evitar a expansão de cerca de 3 milhões de hectares de plantio, que representam 36% da área de cana que deverá ser colhida no Brasil na safra atual (8,410 milhões de hectares), reduzindo também o consumo de diesel, defensivos e fertilizantes.

“As nossas tecnologias estão focadas no desenvolvimento de melhoramento genético, biotecnologia, solução de plantio do projeto Sementes, entre outras técnicas disruptivas para o setor sucroenergético”, diz Denise Francisco, diretora financeira e de relações com os investidores do CTC.

Segundo Denise, ao desenvolver novas tecnologias que proporcionem maior eficiência na produção de alimentos e energia limpa, o CTC contribui para a competitividade e o crescimento sustentável da economia brasileira, reduzindo o impacto ambiental da lavoura de cana. Investir em sua produtividade com melhores variedades traz muito benefício ao meio ambiente.

O Relatório de Sustentabilidade do CTC (safras 20/21 e 21/22) traz dados sobre a conjuntura do setor sucroenergético e o seu potencial de crescimento.

O Brasil é o maior produtor global, com 585 milhões de toneladas processadas (safra 21/22).

Nas últimas décadas, a cultura passou por uma revolução tecnológica, com ampliação de práticas sustentáveis, levando em consideração a baixa pegada de carbono e as melhores práticas ambientais em toda a cadeia de valor.

A cana é uma importante fonte de energia renovável no país. Ao final da safra 21/22, correspondia à 18% da matriz nacional, aumentando a participação para 19,1% (ou 39% de toda a energia renovável ofertada) em 2023. Isso posiciona o Brasil acima da média mundial, que é de 14%, e dos países desenvolvidos pertencentes à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que alcançam 11%. E reforça o papel brasileiro na vanguarda do uso de energias limpas e renováveis.

Hoje, o Brasil conta com domínio pleno de tecnologia nos campos agrícola e industrial, com vasto estoque de inovações ainda possíveis de implementação e grande potencial para um novo salto de produtividade no setor sucroenergético.

Sobre o CTC

O CTC – Centro de Tecnologia Canavieira é uma empresa de biotecnologia e inovação, líder global em ciência da cana-de-açúcar. Tem um dos maiores bancos de germoplasma de cana-de-açúcar do mundo, com mais de 4 mil variedades. Nos laboratórios em Piracicaba (SP) e Saint-Louis (Missouri-EUA), as equipes de cientistas desenvolvem trabalhos de ponta em melhoramento genético e engenharia genética. O portfólio da companhia reúne variedades de cana de alta produtividade e resistentes a pragas.

Criado em 1969, CTC contribuiu nestes 50 anos de história para o avanço tecnológico do agronegócio nacional e a competitividade do setor sucroenergético, levando o Brasil à liderança mundial do setor, aumentando a produtividade para atendimento da demanda mundial de açúcar, proporcionando visibilidade ao etanol como um dos mais importantes biocombustíveis do mundo.

Compartilhar Notícia

Notícias relevantes