Verde Agritech anuncia Renato Mendes como vice-presidente de contas estratégicas

A Verde Agritech, empresa de tecnologia agrícola brasileira com a maior capacidade de produção de fertilizantes potássicos do Brasil, anunciou Renato Mendes como vice-presidente de contas estratégicas. O executivo será responsável por liderar uma equipe focada em 431 clientes, os principais da companhia, que coletivamente cultivam mais de nove milhões de hectares. O coletivo tem um potencial de evitar até 245 mil toneladas de emissões de CO2 e remover mais 1,5 milhão de toneladas de dióxido de carbono anualmente. Um estudo independente realizado pela Newcastle University, revelou que cada tonelada do K Forte pode capturar até 120 quilos de CO2, principal gás causador do efeito estufa. 

Segundo o comunicado enviado ao Mercado pela companhia nesta terça-feira (30), o potencial de captura de carbono desse grupo já representaria um dos maiores projetos de remoção de CO2 da atmosfera do mundo. “Para atingir este marco, serão necessários cerca de 12 milhões de toneladas por ano dos 3,2 bilhões de toneladas de recursos minerais da Verde”, disse o CEO e fundador da Verde Agritech, Cristiano Veloso.   

Renato Mendes é o vice-presidente de contas estratégicas da Verde Agritech – Foto: Divulgação

Há mais de 20 anos no agronegócio, Mendes possui uma sólida carreira no setor. Formado em Engenharia Agronômica pela Universidade de São Paulo (USP), possui pós-graduação em Gestão do Agronegócio pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e MBA em Finanças pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).  

“Conheci o Renato Mendes há 16 anos, em sua cidade natal, São Gotardo, Minas Gerais, onde estão as operações da Verde. Naquela época, ele já se consolidava como uma liderança no agronegócio. Com o passar dos anos, minha admiração pelo seu trabalho só cresceu, pois ele construiu uma carreira de muito sucesso na agricultura. Por outro lado, Mendes acompanhou tanto as operações de cultivo da Verde em sua região quanto os resultados de campo de nossos produtos. Fiquei entusiasmado quando ele aceitou o nosso convite para se juntar à Verde e estou ansioso por trabalhar com ele no início de um novo capítulo na vida da nossa empresa”, destacou Veloso. 

Durante a carreira, Mendes ocupou cargos de gestão em companhias como Sekita Agronegócios e DeLaval, além de ser co-fundador e CEO da Paty Agro e de ter atuado como consultor sênior da Agris Consultoria. Também liderou o projeto “Terra do Leite”, de 2014 a 2021, negócio integrado de agricultura e lacticínios. A iniciativa distinguiu-se pela introdução da robótica e de tecnologia de ponta na produção de leite, modernizando e aumentando significativamente a eficiência do processo. 

Ainda de acordo com o documento, Mendes estará à frente de uma equipe especializada de agrônomos, composta por profissionais com qualificações acadêmicas avançadas, mestres e doutores, que ajudarão os clientes a contribuírem decisivamente para o combate às mudanças climáticas. 

“Estou entusiasmado por me juntar à Verde Agritech, uma líder em inovação no setor do agronegócio que tenho acompanhado de perto ao longo dos anos”, celebrou o novo vice-presidente de contas estratégicas da empresa.  

O executivo atuará também na intensificação da estratégia centrada no cliente, vendas e personalização de ofertas para atender os requisitos exclusivos das principais contas da companhia. Além de ser o encarregado por assegurar que as propriedades de remoção de carbono dos produtos da Verde Agritech sejam reforçadas e que se tornem um fluxo de receitas crescente. 

“Sou apaixonado por construir parcerias robustas e sinérgicas com os clientes e, acima de tudo, estou convencido de que essas relações são fundamentais para trazer luz às oportunidades que impulsionam o crescimento e o sucesso partilhados”, complementa Mendes. 

Parceiro estratégico para a realização de objetivos do Acordo de Paris 

Outro estudo internacional, divulgado em setembro do ano passado, mostra que o fertilizante K Forte inicia a captura de dióxido de carbono da atmosfera meses após a aplicação nas lavouras e, no máximo, um ano. A pesquisa foi realizada a pedido da Verde Agritech.  

A conclusão foi feita pelo Doutor Phil Renforth, titular da Heriot-Watt University, de Edimburgo, no Reino Unido, e especialista em intemperismo aprimorado, que é a aceleração de alterações físicas e químicas de rochas, e co-editor-chefe da Frontiers in Climate: Negative Emission Technologies, a primeira publicação mundial dedicada ao assunto.    

“Para cumprir os seus objetivos climáticos de Paris, os governos precisam aumentar os métodos para reduzir as emissões de gases com efeito estufa e desenvolver métodos que eliminem o dióxido de carbono atmosférico. Uma ferramenta escalável e de custo relativamente baixo neste processo. A Verde Agritech supera dois dos principais obstáculos para o ERW em escala: primeiro, a produção consistente de material de moagem fina e, segundo a utilização de um mineral que pode dissolver-se rapidamente”, afirmou Renforth, no comunicado enviado ao Mercado à época. 

Mais informações:   
https://verde.ag/ 

Compartilhar Notícia

Notícias relevantes