Variantes mais críticas do coronavírus e seus impactos nas vacinas

por Lucas Mendes

Depois de mais de um ano de pandemia, e enquanto campanhas de vacinação são conduzidas pelo mundo, as variantes do coronavírus trazem novas preocupações. Por se tratar de um fenômeno novo, ainda há pouco consenso científico sobre seu impacto.

O que se sabe de algumas delas é que podem ser mais transmissíveis que as versões anteriores do Sars-CoV-2, o novo coronavírus, causador da pandemia de covid-19. Existe também a possibilidade de oferecerem resistência às vacinas, pela capacidade de escapar da resposta imune.

As versões potencialmente mais perigosas são classificadas como “variantes de preocupação”De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), as 3 principais variantes de atenção do coronavírus são a do Reino Unido (B.1.1.7), da África do Sul (B.1.351) e a do Brasil (P.1). Todas estas linhagens têm sido associadas a uma maior transmissibilidade do vírus.

Além dessas 3, outras variantes têm chamado atenção pelos riscos que oferecem. O Poder360 lista no infográfico abaixo as principais variantes do coronavírus, e suas características.

De acordo com o Boletim Epidemiológico nº 52, (íntegra – 8,7MB) publicado na 5ª feira (4.mar.2021) pelo Ministério da Saúde, o Brasil tinha 334 casos confirmados de infecção por variantes de preocupação, em 20 Estados. Foram 299 pela P.1 e 35 pela variante do Reino Unido. Não há registro da circulação da variante da África do Sul, segundo a pasta.

O Observatório Covid-19 da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) analisou amostras de coronavírus em 8 Estados. Detectou que em 6 as variantes já respondiam por mais da metade das infecções: Ceará, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Segundo a Rede Genômica Fiocruz, mais de 60 linhagens do novo coronavírus já foram identificadas no Brasil, a partir do sequenciamento genético de amostras desde o começo da pandemia.

Foi identificado o predomínio de 5 variantes. Desde março de 2020, duas se disseminaram mais: a  B.1.1.33 e a B.1.1.28. Esta última deu origem às variantes brasileiras P.1 e P.2.

VACINAS

As variantes do coronavírus despertam a preocupação sobre a eficácia das vacinas contra a covid-19 disponíveis no mundo. Nesta 5ª feira (4.mar), as agências reguladoras de medicamentos do Reino Unido, Canadá, Austrália, Cingapura e Suíça anunciaram que vão acelerar a aprovação de novas vacinas, caso seja necessário adaptar os atuais imunizantes para combater as variantes.

A orientação estabelece quais informações os reguladores precisam analisar para dar aval às modificações nas vacinas já autorizadas. Não será necessário refazer os estudos clínicos, o que vai diminuir o tempo de espera até sair a autorização de uso.

Cientistas e fabricantes de vacinas estão testando a eficácia dos imunizantes diante das variantes, e ainda não há qualquer consenso.

Na África do Sul, onde surgiu uma das variantes de preocupação, o governo decidiu suspender o uso da vacina AstraZeneca/Oxford. Um estudo mostrou que o imunizante teria “proteção mínima” aos pacientes com contra covid-19 leve ou moderada.

Poder360 elaborou um infográfico com o que se sabe até o momento sobre a eficácia das vacinas diante das 3 variantes de preocupação:

MUTAÇÕES

Desde que foi descoberto em Wuhan, na China, em dezembro de 2019, o coronavírus já passou por várias mudanças. Esse processo de constantes mutações é o responsável por desenvolver versões mais perigosas do vírus, potencialmente mais transmissíveis e que podem escapar da proteção das vacinas existentes.

Mutações aleatórias são normais. Pelo mecanismo evolutivo, os vírus mais eficazes acabam se estabelecendo, tomando o lugar de linhagens originárias.

Um estudo (íntegra – 6,4MB) de pesquisadores do Reino Unido, Equador e Canadá, publicado em 12 de fevereiro na revista Science, mostrou que haviam mais de 1.000 linhagens do coronavírus em circulação só na 1ª onda de contágios no Reino Unido, no 1º semestre de 2020.

Compartilhar Notícia

Notícias relevantes