Nelson Wilians Advogados encerra primeiro módulo de curso de libras

Com objetivo de estimular, sensibilizar e capacitar profissionais da banca Nelson Wilians Advogados (NWADV), Nelson Wilians Group (NWGroup) e Instituto Nelson Wilians (INW), o escritório promoveu um curso de capacitação na Língua Brasileira de Sinais (Libras) para internas suas equipes.

A ação teve como objetivo fomentar em todos os ambientes profissionais a inclusão, a equidade e a diversidade, por meio do curso, que teve início em janeiro, e encerrou seu primeiro módulo em abril. A iniciativa visa também possibilitar mais acessibilidade comunicacional dos profissionais entre Pessoas Surdas e não Surdas do NWADV, NWGroup e INW.

“O Censo NW 2022 foi uma etapa importante para calibrarmos nossas decisões e nos tornarmos ainda mais assertivos em nossas ações. Com isso, contribuiremos para uma cultura jurídica mais diversa, acolhedora e inclusiva. Essa é uma das causas que abraçamos”, afirma Anne Wilians, CEO e fundadora do Instituto Nelson Wilians e sócia do Nelson Wilians Advogados.

O primeiro módulo, que aconteceu na Matriz, em São Paulo, contou com 34 participantes, que receberam certificado ao final do curso e estão habilitados para iniciar, em breve, o segundo módulo.

“Participar do primeiro módulo do curso agregou muito mais do que poderia imaginar. Iniciei com objetivo de profissionalização com o público interno que são deficientes auditivos, inclusive, membros da minha equipe. Ao final, percebi o quanto a Língua Brasileira de Sinais é rica e o quanto ainda estamos longe de promover uma inclusão completa na sociedade em geral”, comenta Adriana Fernandes de Araújo, gerente de Comunicação da Nelson Wilians Advogados.

Para o segundo módulo, os participantes serão convidados a aprofundar os estudos na língua para ampliar o vocabulário, principalmente, focado nas situações de trabalho e estrutura do idioma. E, como forma de oferecer a mesma oportunidade de aprendizado a todos, o curso também será realizado na modalidade EAD, contemplando todas as unidades do escritório no país.

De acordo com Luiz Rostello, gestor da área de Gestão de Pessoas, é fundamental que seja construído ambientes mais inclusivos e equitativos para todos. “A diversidade e a inclusão começam dentro de cada pessoa. Por isso, contamos com o subsistema de DHO (Desenvolvimento Humano Organizacional) para mobilizar e estimular todas as pessoas da comunidade NW, para que sejam protagonistas dessa mudança social, sendo multiplicadores de conhecimentos e atitudes que corroboram para a valorização das diversidades e da inclusão, completa Luiz.

Dados do censo NW 2022

A NWADV realizou, pela primeira vez, o Censo NW em Diversidade, Equidade e Inclusão (DE&I), com a finalidade de coletar dados e ampliar estratégias para construir uma governança corporativa eficaz, além de construir políticas afirmativas relacionadas à diversidade e inclusão. Os resultados mostram que o escritório concentra cerca de 1,5% de profissionais PcD (Pessoa com Deficiência), que inclui o público surdo. A meta é dobrar o percentual até o final de 2023.

O formulário foi direcionado a sócios e sócios-diretores, colaboradores, advogados associados, estagiários, parceiros institucionais e terceirizados espalhados em todo o país.

“Acreditamos que as organizações podem exercer um papel importante para o desenvolvimento de uma sociedade mais justa e igualitária”, ressalta Anne Wilians. “Com o mapeamento, poderemos traçar estratégias que visam construir espaços de promoção e valorização das diversidades”, avalia.

Importância da comunicação em libras

O estabelecimento de complexas relações e interações sociais dos surdos difere de outras comunidades em que existe a possibilidade de comunicação oral, pois eles carecem da Língua Brasileira de Sinais (Libras) e das experiências visuais para realizarem uma comunicação satisfatória com outras pessoas. Assim, os surdos buscam contato espontâneo com outros surdos para compartilhar seus problemas e interesses, não só em cidades brasileiras, mas como também em diversas cidades de diferentes países do mundo.

E este encontro entre surdos e pessoas com deficiência auditiva, naturalmente, se dá fora de ambientes institucionalizados ou educacionais, ou seja, preferem clubes, associações e shoppings centers, onde discutem suas ideias e opiniões.

No contexto da globalização e das políticas mundiais de inclusão, é também notória a participação econômica desta comunidade, ou seja, trata-se de uma especial e participativa parcela de pessoas que precisam de atenção e trabalho para exercer seu direito de participar socialmente das atividades coletivas. É necessário atuarmos na formação de profissionais da comunidade NW, visando melhor relacionamento, atendimento e orientação aos surdos, facilitando assim seu trânsito, comunicação efetiva, trabalho e acesso nas dependências coletivas, como a de um shopping center, consequentemente, trazendo assim uma maior acessibilidade.

A metodologia do curso foi composta por aulas, dinâmicas e exercícios extracurriculares, de forma presencial e não obrigatória. Para que isso acontecesse, foram levadas em conta algumas habilidades cognitivas como: atenção e foco; percepção; memória e linguagem; raciocínio; e lógica.

Compartilhar Notícia

Notícias relevantes