Medicina da UNIFIPA pesquisa o tratamento do câncer

Constituída por um sistema complexo de tratamento baseado no princípio vitalista e no uso da lei dos semelhantes enunciada por Hipócrates no século IV a.C., a Homeopatia foi desenvolvida na Alemanha, em 1790, por Samuel Hahnemann. De lá para cá, diversas pesquisas e estudos vêm sendo desenvolvidos por universidades para atestar os benefícios e a eficácia desse tipo de tratamento.

O curso de Medicina do Centro Universitário Padre Albino/UNIFIPA está desenvolvendo a pesquisa “Análise do sistema imunológico de pacientes com câncer tratados com medicamentos alopáticos associados à homeopatia” coordenada pela Profª Drª Adriana Balbina Paoliello Paschoalato e com a colaboração da Profª Drª Andreia de Haro Moreno, que vai buscar na literatura tratamentos homeopáticos que possam minimizar os efeitos secundários de medicamentos “convencionais”, tendo em vista que a maioria das drogas utilizadas nos tratamentos dos pacientes com câncer apresenta inúmeros efeitos adversos.

Os fatores de risco do câncer são encontrados no ambiente físico, ou comportamentos próprios, além dos fatores de risco intrínsecos, como idade, gênero, etnia/raça e hereditariedade. “Depois de detectada a doença, os métodos tradicionais da medicina no tratamento utilizam drogas poderosas capazes de reverter o câncer, mas que provocam efeitos colaterais e adversos na mesma proporção. Surge, então, uma nova aliada na diminuição desta problemática, a homeopatia e fitoterápicos”, disseram as pesquisadoras após meses de estudos.

“Entre os artigos relacionados na revisão cientifica encontramos relatos diversos, entre eles, estudos comparando a ação de tratamentos homeopáticos e fitoterápicos. A homeopatia reduziu com maior eficácia os efeitos e reações indesejáveis nos pacientes sob tratamento com quimioterápicos. Tal fato pode ser justificado pelo uso de diluições e não do extrato bruto, como ocorre na Fitoterapia. Esses estudos permitem verificar o quanto a homeopatia, como prática regulamentada e reconhecida nacionalmente, pode contribuir para a promoção da saúde e qualidade de vida dos pacientes com câncer”, explicam as pesquisadoras.

Atualmente, a homeopatia está presente em mais de 10 universidades públicas e privadas no Brasil em atividades de ensino, pesquisa ou assistência e conta com cursos de especialização em 12 unidades da federação com formação do médico homeopata aprovada pela Comissão Nacional de Residência Médica. Na implantação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS a homeopatia foi elencada aos tratamentos médicos convencionais.

Fonte: Assessoria/FPA