Homenagens

Prestar uma homenagem significa demonstrar publicamente admiração e respeito por alguém. Na História da Arte, olhar para o passado é uma maneira de realizar seleções que podem apontar para a construção do próprio futuro. Carlos Elias realiza essa jornada em uma exposição em que traz à tona pintores, escritores e cineastas como Charles Chaplin.

Por meio de cores fortes, a sua mensagem é contundente e, ao mesmo tempo, carinhosa. Isso representa uma admiração que se dissemina não apenas nas suas telas, mas também por cada pessoa que vê o trabalho. As obras trazem de volta ícones que povoam o imaginário do observador e trazem imagens que evocam valores.

Existe um fascínio pela irreverência do modernismo e um entendimento de que as imagens de filmes do cineasta inglês apresentam valores de vida. São frames que discutem a exploração do trabalhador e principalmente as possibilidades de construir um mundo mais carinhoso em que as pessoas possam de fato amar a si mesmas e se apaixonar pelos outros com sinceridade pela comunhão de valores.

A pintura de Carlos Elias não é apenas uma cópia do mundo, mas uma expressão visual que propicia reflexões que podem, se vistas com atenção, trazer ensinamentos ou, pelos menos, pistas de como se torna possível visualizar referências que apontam para ícones que, além de serem homenagens e pontos de partida pictóricos, constituem atos visuais de esperança em uma sociedade que possa ser mais plena de solidariedade.

Oscar D’Ambrosio
@oscardambrosioinsta
Pós-Doutor e Doutor em Educação, Arte e História da Cultura, Mestre em Artes Visuais, jornalista, crítico de arte e curador

Compartilhar Notícia

Notícias relevantes