GAL reflete sobre loucura em sua primeira obra para ambiente virtual

O Grupo de Apoio à Loucura (GAL) estreia em março seu mais novo trabalho, “Experiência XSINDZIVXS”, o primeiro para o meio virtual. De 22 de março a 14 de abril, o público poderá acompanhar gratuitamente a programação online pelas mídias digitais do grupo de teatro sediado em São José do Rio Preto (SP), que promoverá um ensaio aberto, seis bate-papos sobre temas tratados na obra e seis apresentações seguidas de rodas de conversa.

Em “Experiência XSINDZIVXS” (lê-se disindisivis), cinco personagens são deixadas em um hospital psiquiátrico e, por meio de seus depoimentos, relatam suas vidas a partir dos conceitos de loucura impostos pela sociedade, refletindo sobre suas experiências e lugar no mundo. A obra inspira-se no caso do Hospital Colônia de Barbacena, Minas Gerais (conhecido como “Holocausto Urbano”, retratado no livro de Daniela Arbex), onde 60 mil brasileiros morreram por diferentes causas, desde frio, fome, doenças e eletrochoques. A maioria das pessoas internadas no hospital psiquiátrico, inaugurado em 1903, não tinha transtornos mentais. Eram mulheres, pessoas negras, LGBTs, prostitutas, pessoas com epilepsia, alcoólicos, pessoas que fugiam dos padrões aceitos na sociedade.

Outra referência do GAL para a construção do espetáculo foi a trajetória do Dzi Croquettes, transgressor grupo de teatro que quebrou tabus na década de 1970, sob o regime militar, promovendo rupturas estéticas e artísticas, com homens vestidos de mulheres no palco, usando do glamour e da irreverência para driblar a censura. A partir dessas realidades distintas, o grupo reflete sobre temas como o racismo, o feminismo, a loucura e a censura.

“Nosso foco foi unir esses extremos, ainda que não parecidos. Como estariam aqueles que dizem tudo através do riso, se estivessem presos a uma realidade de descarte humano?”, indaga Murilo Gussi, fundador do GAL, que na obra assina a direção e a iluminação. “Partindo da premissa do significado do nome do espetáculo, XSINDZIVXS, quer dizer indizíveis, o que não pode ser dito, não pronunciável, aquele que diz o que não se pode ser dito, levantamos temas que se fazem necessários à reflexão além do palco”, acrescenta.

O elenco criador é formado por Christina Martins, Diego Neves, Suria Amanda, Cassio Henrique e Daniel Bongiovani. Clayton Nascimento (Cia. do Sal) é responsável pela preparação de elenco e Jandilson Vieira (Grupo Redimunho), pelo dramaturgismo. Ambos foram orientadores do GAL no processo de criação, através do Programa Qualificação em Artes. A construção do espetáculo teve início em 2018. Em 2020, o grupo interrompeu o processo no formato presencial e passou a investigar as possibilidades para o audiovisual, o que resultou em “Experiência XSINDZIVXS”.

“Experiência XSINDZIVXS propõe passar a mensagem através da graça e da poesia àqueles que não toleram nos ouvir, à classe que desvalida tudo e todos que não alcançam seus padrões normativos. Damos voz e visibilidade àqueles que representamos e que estão à margem”, reflete o diretor.

As apresentações on-line têm início em 30 de março e vão até 14 de abril, sempre às terças-feiras, 19h, e às quartas, 22h, pelo YouTube (http://bit.ly/YouTubeGAL) e Facebook (@grupodeapoioaloucura). Ao fim de cada sessão, será realizada uma roda de conversa com o elenco, direção e público.

Na semana que antecede as apresentações, o público poderá acompanhar um ensaio aberto e três bate-papos com convidados sobre assuntos tratados pelo projeto, com mediação de artistas do grupo. Na segunda-feira (22/3), às 17h, tem ensaio aberto (o elenco participará remotamente, de suas casas), e, às 20h, bate-papo sobre “A História da Loucura e a (des)razão humana”, com a historiadora e psicóloga Jessica Oliveira, e mediação de Murilo Gussi. Na terça (23/3), a conversa será sobre “Teatro de Resistência – O Corpo Preto em Cena”, com o ator, diretor e professor de teatro Clayton Nascimento, mediada pela atriz Christina Martins. Quarta-feira (24/3), a atriz e ativista do Movimento Negro de Catanduva (MNC) Jessica Souza abordará o tema “Racismo, Orgulho Preto e Arte Negra”, com mediação do ator Diego Neves.

A transmissão dos bate-papos será pelo Instagram (@_grupodeapoioaloucura) e os demais encontros serão às segundas-feiras. Em 29 de março, o tema será “Identidade no Teatro, Refletindo sobre o lugar do indivíduo na arte”, com Jandilson Vieira, diretor de arte e ator. Em 5 de abril, “Censura e LGBTfobia”, com a ativista trans de direitos humanos Evelyn Guttierrez. Encerrando a série, dia 12 de abril, Nathalia Fernandes, atriz, diretora e produtora cultural, falará sobre “As ondas do Feminismo e atualidade”, com mediação da atriz Suria Amanda.

Sobre o GAL

Fundado em 2010 pelo multiartista Murilo Gussi, o GAL (Grupo de Apoio à Loucura) tem em seu repertório três montagens a partir da obra do dramaturgo Tennessee Williams, “CONDENADA!” (2011), “BLANCHE!” (2012) e “Me deixa Ouvir” (2014), e os trabalhos “PUTO!” (2016) e “Cabarexistência” (2017), esse último com dramaturgia de Gustavo Colombini e orientação de Georgette Fadel. Também é idealizador da MADRE (Mostra de Artes da Diversidade e Resistência), realizada em parceria com outros coletivos de São José do Rio Preto, já com três edições.

Com o projeto “Experiência XSINDZIVXS”, o grupo foi um dos selecionados pelo Edital ProAC Expresso LAB 36/2020, “Produção e Temporada de Espetáculo de Teatro com Apresentação Online”, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado.

Sinopse:

XSINDZIVXS: vem de INDIZÍVEL, As Indizíveis.1 O que não pode ser dito. 2 Que ou quem foi anulado/excluído por não condizer com a normalidade. 3 Não pronunciável, não apresentável, impróprio, inapropriado, censurado. 4 Aquele que diz o que não pode ser dito. Faz o que não pode ser feito. É aquilo que dizem para não ser.

Cinco personagens são deixadas em um hospital psiquiátrico e por meio de seus depoimentos relatam suas vidas, a partir dos conceitos de loucura impostos pela sociedade.

Ficha técnica:

Elenco criador: Christina Martins, Diego Neves, Suria Amanda, Cassio Henrique e Daniel Bongiovani

Direção e iluminação: Murilo Gussi

Coreografia: Diego Neves

Trilha sonora: Magia Negra, Diego Neves e Lucca Lourenço

Letra: Christina Martins e Diego Neves

Orientações artísticas através do Programa Qualificação em Artes e Preparação de elenco: Clayton Nascimento

Orientações artísticas através do Programa Qualificação em Artes e Dramaturgismo: Jandilson Vieira

Fotografia e design gráfico: Maju Pereira

Captação e edição de vídeo: Marcelo Nogueira e Camila Côrtes

Suporte de edição: Daniel Bongiovani

Produção: Suria Amanda

Assessoria de imprensa: Graziela Delalibera

Classificação indicativa: 14 anos

Duração: 35 minutos

SERVIÇO:

Experiência XSINDZIVXS, do Grupo de Apoio à Loucura (GAL). Temporada de estreia: 22 de março a 14 de abril. Bate-papos: Instagram (@_grupodeapoioaloucura). Ensaio aberto e apresentações online: YouTube (http://bit.ly/YouTubeGAL) e Facebook (@grupodeapoioaloucura). Gratuito.

Compartilhar Notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Notícias relevantes