Expansão: projeto de horta escolar já atende quase 350 alunos

O contato com a natureza é fundamental para um crescimento saudável e feliz. Isso é o que diz a maioria dos estudiosos. Pensando nisso, a Prefeitura de Catanduva, por meio da Secretaria Municipal de Educação, implantou desde o ano passado a proposta da horta orgânica na escola.

A ação começou no Projeto Brincando e Aprendendo, no Caic, com atendimento a 240 alunos do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental das escolas Graciema Ramos da Silva e Coronel José Pedro da Motta, nos períodos da manhã e tarde.

Hoje, já são quase 350 estudantes atendidos. Isso porque a proposta deu tão certo que foi ampliada para a escola Waldemar Martins Aydar, no Giuseppe Spina.

Os alunos passam o período das oficinas, cerca de uma hora e meia, aprendendo sobre a importância dos alimentos e de uma alimentação saudável, além de conhecerem os processos até o consumo.

“Eles ajudam a plantar, adubar, regar, tirar mato e ervas daninhas, aprendem a compostagem e, por fim, fazem a colheita para comer depois”, conta a engenheira agrônoma Mayra Dyonísio Polo, arte-educadora responsável pelo projeto.

Os alimentos consumidos não têm agrotóxicos e aditivos químicos. O que é retirado da horta é levado até o refeitório da escola para o consumo das crianças. No Caic tem alface americana, alface roxa, couve, brócolis, cenoura, rabanete, almeirão, beterraba, escarola, tomate cereja, cheiro verde e manjericão. No pomar também tem abacaxi, acerola, pitanga, amora, araçá e banana nanica.

Na escola Waldemar são atendidos os alunos do 1º e 2º anos da manhã e do 3º ao 5º ano do período da tarde. Por enquanto, foram plantados três pés de amora e canteiros de alface roxa, couve, brócolis, escarola, cenoura e beterraba, além dos canteiros aromáticos com boldo, cavalinha, carqueja, alecrim, capim cidreira, salsinha e cebolinha.

Ao lado da área da horta, próximo a quadra esportiva, também foram plantados oito pés de Ipê (amarelo, roxo e branco).

“É uma forma sadia e muito interessante de as crianças conhecerem e terem o contato com a natureza. Elas aprendem não somente sobre o valor do alimento, mas também a ter responsabilidade, a interagir e a ter respeito pela natureza e pelo o que ela produz de riquezas para o ser humano”, avalia a secretária de Educação, Tânia Aparecida Ribeiro Fonseca.

Fonte: Assessoria/Prefeitura