Emoção e inspiração: ‘Revivendo Padre Albino’, uma surpresa que tocou corações

No mês dedicado à memória dos 50 anos sem Padre Albino, a Fundação Padre Albino preparou uma série de atividades para seus colaboradores. Durante o mês de setembro, Padre Albino fez “visitas surpresa” às unidades de negócio da instituição.

A iniciativa, ‘Revivendo Padre Albino’, teve como objetivo surpreender os colaboradores das unidades hospitalares, de assistência e de educação mantidas pela Fundação Padre Albino. Essas instituições, muitas das quais foram constituídas pelo próprio Padre Albino, têm desempenhado papel fundamental na comunidade ao longo dos anos.

Para representar a figura carismática do Padre Albino, o ator Carlinhos Rodrigues, que interpreta o sacerdote na peça teatral “Padre Albino, legado para uma cidade”, da Cia da Casa Amarela, foi chamado para a missão. Ele encarnou o papel do Padre Albino durante as visitas surpresa, transmitindo mensagens de otimismo e reforçando a importância de dar continuidade ao legado deixado pelo sacerdote.

Carlinhos Rodrigues expressou sua emoção em participar do projeto afirmando: “Cada visita nas unidades foi sempre uma oportunidade de reforçar tudo aquilo que o próprio Padre Albino pedia enquanto vivo para que todos os que procurassem auxílio em uma de suas obras fossem atendidos, acolhidos e cuidados.”

Durante as visitas, ‘Padre Albino’ percorreu corredores, setores de trabalho e salas de aula, surpreendendo os colaboradores. A reação das pessoas foi variada, desde aqueles que conseguiram separar a realidade do lúdico até aqueles que se emocionaram profundamente e compartilharam histórias de suas experiências com o Padre Albino.

Uma colaboradora do Hospital Padre Albino compartilhou suas impressões: “Fiquei bastante emocionada; realmente tive a sensação de estar vendo o próprio padre. Imagino como deveria ser quando ele chegava ao hospital naquela época e o quanto ele prezava pelo bom atendimento.”

Carlinhos Rodrigues também destacou a resposta das crianças durante as visitas dizendo: “As crianças são incríveis. No Colégio Catanduva, saindo de uma das salas de aula, uma aluna puxou a batina e perguntou: ‘O senhor não estava morto?’ Eu disse que o padre estava vivo dentro do coração dela e de cada professor e funcionário que trabalha para que o seu nome seja lembrado sempre.”

As visitas do ‘Revivendo Padre Albino’ aconteceram em várias unidades da Fundação Padre Albino, incluindo Padre Albino Saúde, AME, HEC, Unifipa, HPA, Colégio Catanduva e Recanto Monsenhor Albino, proporcionando momentos especiais de reflexão e reconexão com o legado inspirador do Padre Albino.

Alguns Depoimentos

Foi muito emocionante acompanhar a reação das pessoas ao verem aquele homem vestido de Padre Albino adentrando os locais. Também ver o encantamento dos mais idosos, que tiveram ou possuem alguém da família que conheceram Padre Albino, que faz parte da história de Catanduva e ele vive através de suas obras. Parabenizo os idealizadores do projeto. (Amanda Jacob Zerbinatti – diretora de Operações/PAS)

“Revivendo Padre Albino” foi uma forma de relembrar e homenagear o grande mentor de nossa Fundação de maneira descontraída, moderna e competente. O ator Carlos Rodrigues, como sempre, dando vida ao personagem de maneira ímpar e discreta. Ele foi apropriado ao interpretar essa figura tão querida por todos nós, reavivando a lembrança e trazendo recordações de todos os funcionários, professores, alunos e quantos mais tiveram a oportunidade da convivência com o nosso Venerável Padre Albino. (Dr. Nelson Jimenes, Reitor da Unifipa)

Senti satisfação ao ver a figura de Padre Albino ao vivo. O que mais me impressionou foi que, ao ser saudado, salientou que a salva de palmas teria que ser dirigida aos funcionários, que de fato estão levando adiante o seu legado. Com essas palavras senti que nós fazemos parte disto tudo e quanto somos importantes para o engrandecimento da Fundação. (Flávia Fávero, secretária da reitoria da Unifipa)

Tive a oportunidade de sentir seu legado, que se perpetua até hoje nas ações da FPA. (Mairto Roberis Geromel – técnico de Patologia/Unifipa)

Foi emocionante. Tivemos a oportunidade de ouvir depoimento de alguém que trabalhou com o Padre Albino e senti no coração a chama do seu legado, o que me levou a fazer uma análise interior: Estou trabalhando segundo os princípios de Padre Albino? O que eu poderia fazer para melhorar? Padre Albino foi um homem de fibra, um homem santo, que me motiva todos os dias. (Mayara Theodoro Neves Ignácio – gerente de serviços/HEC)

Foi emocionante viver este momento. Senti que nas visitas aos setores os colaboradores fizeram uma pausa para refletir sobre o que estamos vivendo hoje e que fazemos parte da história. Foi maravilhoso! (Regina Pardim – RT serviço de Enfermagem/HPA)

Foi emocionante. Era a presença real do Padre Albino. Senti paz e também o compromisso para manter o legado que nos deixou. (Sandra Cavalieri – coordenadora de Enfermagem/HPA)

Além do grande diferencial de apresentar a todos os colaboradores e clientes um pouco da história de Padre Albino e que ele contribuiu para a nossa cidade de Catanduva, toda essa ação e dedicação nos motiva a seguirmos o seu legado. (Karulini Polo – gerente administrativa/AME)

Foi de suma importância a iniciativa da FPA em trazer até o Colégio a memória de Padre Albino para que as crianças e os jovens pudessem interagir com aquele momento de amor, reflexão e caridade. (Fabiana Checconi – diretora Colégio Catanduva)

Fotos: Comunicação FPA

Compartilhar Notícia

Notícias relevantes