Descubra a prótese de silicone ideal para o seu biotipo

Não é nenhuma novidade que o Brasil é o 2º colocado quando se fala em cirurgia plástica. Por isso é super comum hoje em dia, mulheres de diversas faixas etárias aderirem, por exemplo, à plástica nos seios. Mesmo pela vontade de colocar, nem todas pesquisam e sabem que há diversos tipos de prótese e qual se enquadra melhor para seu biotipo.

De acordo com o cirurgião plástico Dr. Marco Cassol, a escolha do tamanho e do formato da prótese mamária deve ser definida pelo cirurgião plástico em conjunto com a paciente. O médico é capaz de avaliar o biotipo da paciente, tendência à flacidez e expectativa, levando em conta a altura da prótese (que é a projeção para frente) e sua largura (diâmetro).

Prótese Cônica ou Silicone Perfil Super Alto – Seu volume está concentrado no centro da prótese, por isso os seios ficam mais projetados para frente. É considerado um formato de colo médio, então dá resultado um pouco mais discreto. A paciente também pode optar pela prótese de silicone cônica para conseguir seios mais projetados, sem precisar colocar grandes volumes. É recomendada para quem tem o tórax estreito e os seios pequenos, já que a base do busto não é alargada e a projeção para frente é bem evidente.

Prótese Redonda ou Silicone Perfil Alto – É um dos formatos mais pedidos entre as pacientes por marcar bastante o colo. Indicado para quem possui o tórax proporcional e já tem naturalmente um volume considerável nas mamas.

Perfil Baixo e Moderado – Possui maior diâmetro e menor projeção. Ou seja, base mais larga e altura mais baixa. Um tipo de silicone que é pouco utilizado, pois não projeta a mama para a frente e o colo fica apagado, onde é indicado para quem possui o tórax mais largo e não quer que o seio fique em evidência.

Prótese Anatômica ou Silicone Formato Gota – Esse modelo possui a maior parte do volume de silicone concentrado na parte de baixo, proporcionando o aumento da mama, mas sem perder o contorno natural. Portanto, deixa a mama sem nenhuma projeção, o colo fica pouco marcado e a parte de baixo dos seios fica com maior volume, deixando o resultado mais natural. Pouco usado na estética, é utilizado basicamente em cirurgias para reconstrução da mama em mulheres que tiveram câncer de mama.

Segundo o especialista, há três tipos de superfícies que podem ser utilizadas na aplicação da cirurgia: lisa, revestida de poliuretano e texturizada. A lisa é a menos utilizada, pois há maior possibilidade de ocorrência de contratura capsular (endurecimento da cápsula de revestimento que o corpo forma naturalmente em torno da prótese). Devido à maior dificuldade da aplicação do silicone e até na retirada, onde há incisões maiores na pele, a superfície de poliuretano também está deixando de ser utilizada. A texturizada ainda hoje é a melhor opção mais fabricada e mais recomendada, pois há muito menos chance de dar contratura capsular.

Dr. Marco Cassol, cirurgião plástico especialista em face feminina – membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) com mais de 15 anos de experiência. É formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRG) e conta com especializações em cirurgia para a redução de mamas, criolipólise, microlipoaspiração, cirurgia íntima, entre outras. Site: www.marcocassol.com.br

Fonte: Comunicação & Marketing