D – DE DOMINGO E DE DESTINO

Em nossa coluna do dia 02 (votação do primeiro turno), vaticinamos: “Hoje,  156 milhões de brasileiros estarão aptos a  votar nos representantes e mandatários que vão traçar e  definir o destino do nosso país, por quatro anos ou mais.

Considerando a abstenção da última eleição (20,3%), aproximadamente 125 milhões exercerão o sagrado direito de votar. Os que  assim não farão –  pelas mais variadas razões –,   devem somar  31 milhões de eleitores que é superior a população somada dos estados do Rio Grande do Sul,  Paraná e Santa Catarina (30.221 milhões)…” 

Após o resultado do  primeiro turno, os números por nós previstos não divergiram muito da realidade. Foram 123.6 milhões de votantes e 32.7 abstenções, ou seja, 20,95% dos eleitores deixaram de votar, mas esse expressivo número está longe de ser o maior.

O  recorde histórico se deu na eleição para prefeitos em 2020, quando 29,5% dos eleitores habilitados optaram por não comparecer às urnas, num país em que o voto é obrigatório.

Se os quase 21% do primeiro turno já preocupavam as autoridades o que dizer dos quase 30% do ano de 2020? É bem verdade que naquele ano o país vivenciava período crítico da pandemia e a  abstenção esperada para hoje deve ficar abaixo do número contabilizado na eleição de primeiro turno.

Fato é que,  quem ganhar terá um país dividido, já que a diferença tende a ser pequena,  mas a vontade do povo deverá ser respeitada, ainda que possa ocorrer uma ou outra manifestação isolada. Oxalá não se repita o triste e lamentável  episódio registrado em Washington na última eleição de 03 de novembro 2020.

Uma coisa é certa, se a direita ganhar a situação pouco ou quase nada será alterada no campo econômico,  social, politico e das relações internacionais. Se, contudo, ganhar a oposição, só Deus sabe o que virá pela frente, lembrando que,  nesse caso o país estaria sendo administrado por um partido de esquerda,  a exemplo da Venezuela, Argentina, Peru,  Chile e Colômbia, para citar os nossos principais vizinhos.

De todo o modo, a sorte está lançada e o destino do país está em nossas mãos. Então, que vença o menos pior! 

P.S. Muito estranho as Forças Armadas ainda não terem divulgado a conclusão da auditoria das urnas. Porque será?               

 www.buchadvocacia.com.br    

buch@buchadvocacia.com.br

Compartilhar Notícia

Notícias relevantes