Combater o câncer é apoiar o tratamento

O câncer é uma doença que não escolhe cor, raça ou condição financeira. A qualidade de vida contribui para sua prevenção, mas qualquer um está sujeito a passar por ele. O Hospital de Câncer de Catanduva nasceu com o propósito de contribuir com o tratamento oncológico dos pacientes de Catanduva e das 18 cidades da região. A sua instalação permitiu atendimento ágil, menos filas de espera para o tratamento nos centros de referência e mais conforto para pacientes, que precisavam fazer longas viagens.

Em dois anos de atendimento foram mais de 16 mil consultas, 13 mil sessões de radioterapia, 11 mil sessões de quimioterapia, 7 mil exames, 2 mil internações e mais de mil cirurgias realizadas.

“Neste 4 de fevereiro, Dia Mundial de Combate ao Câncer, só temos a comemorar pelos resultados positivos, pela conquista do tratamento completo para nossa cidade e região e, principalmente, por todos os que abraçam nossa causa com o propósito de amenizar a dor de quem passa pela doença. É uma data para se comemorar, e muito!”, ressaltou a diretora de Saúde e Assistência Social da Fundação Padre Albino, Renata Rocha Bugatti.

Para o médico rádio-oncologista, Dr. Neris José Rodrigues de Oliveira, a pessoa com câncer já foi muito estigmatizada. “Hoje sabemos que o câncer tem mais chances de cura graças ao avanço tecnológico, que permite novos e eficazes tratamentos, como é o caso do HCC, que dispõe de tecnologias avançadas para tratar a doença”, afirma.

O HCC já é referência no tratamento oncológico e aguarda habilitação do Ministério da Saúde para atendimento pelo SUS. Desde 14 de setembro de 2019 o hospital realiza tratamento oncológico com verbas próprias da Fundação Padre Albino, recursos arrecadados por voluntários e algumas emendas parlamentares.

Fonte: Comunicação FPA