Boner – Pintor brasileiro faz sucesso na Itália

O pintor brasileiro Ronaldo Boner Jr participou de 2 a 24 de junho 2018 de uma importante Exposição com curadoria de Sara Mammana e Roggero Roggeri na Itália. Em  Pienza  uma daquelas cidadezinhas toscanas que nasceram para encantar os viajantes.  Com sua paisagem bucólica e posição panorâmica a cidade é patrimônio da UNESCO desde 1996 por um motivo muito peculiar: é um raríssimo exemplo de cidade ideal , o modelo urbanístico concebido durante o renascimento. Junto ao talentoso pintor brasileiro Ronaldo Boner Jr., também marcaram presença  Alessandra Allori, Marco De Sio, Gabriella Volpini e John Carlton Watkins todos alunos de Luciano Regoli  da Escola do Valle di Lazzaro, em Elba.

Ronaldo Boner Jr. Autoritratto, óleo sobre tela, 170×140 cm, 2010

Itália: Exposição LUCIANO REGOLI e la Scuola dell’Elba

A perfeição ideal de Pienza, patrimônio da UNESCO no coração de Val d’Orcia, foi palco natural para uma importante exposição de Luciano Regoli, o artista que fez o contraste com a suposta “Morte da Pintura Figurativa”, sua missão . A exposição também viu a presença de uma seleção de obras de seus alunos pertencentes à Scuola dell’Elba, fundada por ele.

Nos quartos do Palazzo Salomone Piccolomini, uma verdadeira joia arquitetônica que se ergue no coração da “Cidade Ideal”, sede da Associação Cultural “Biagiotti per l’Arte” que promoveu o evento como parte do projeto “La Forma della Bellezza”. exposto, de 2 a 24 de junho, foram um bom número de suas lindas  pinturas superlativas que, para os parâmetros de uma certa contemporaneidade, pouco ou nada se combina com a arte.

Trabalhos perfeitos para sistema de composição, cromatismo, atmosferas. Uma pintura, a de Regoli, feita de um belo artesanato, dominando a grande arte da tradição antiga. Uma pintura onde a técnica e o sentimento são combinados à perfeição, para reconciliar a razão e a alma.

São retratos, cenas de tradição religiosa, pinturas de figuras, naturezas-mortas e paisagens. De todos esses gêneros, em suma, que foram um repertório extraordinário de grande arte clássica.

Nunca cópias , mas trabalhos originais, absolutamente contemporâneos, frescos, inovadores, criados com aquela “ingenuidade” que teria sido solicitada a um grande Mestre na Florença renascentista ou na Veneza de Ticiano e que Regoli, com aparente naturalidade, que é o resultado de estudo constante e apaixonado, aplica e ensina um grupo de estudantes que, também protagonistas da exposição, da metade do mundo, chegam à sua Escola do Valle di Lazzaro, em Elba. Além de Regoli, na verdade, talentosos pintores exibirão: Alessandra Allori, Ronaldo Boner Jr., Marco De Sio, Gabriella Volpini e John Carlton Watkins.

Ao anunciarem a exposição pientina, os curadores, Sara Mammana e Roggero Roggeri, recordam “5000 km para ver uma orelha”. A morte da Grande Pintura “, a escrita programática em que Regoli avança uma análise aguda e uma reflexão aprofundada sobre o papel e o significado da pintura figurativa através dos séculos. Até chegarmos à triste observação de que, muitas vezes, no contexto contemporâneo, essa forma de arte é silenciada pela progressão, aparentemente inexorável, das novas linguagens expressivas que o século XX produziu.

“No entanto, felizmente, a morte da Grande Pintura, denunciada por Regoli, ainda não ocorreu plenamente e nos perguntamos – escrevem os curadores, no catálogo científico que acompanha a exposição – o que faz a tradição ainda hoje. imagens clássicas vivas e presentes, e porque ainda existem artistas que, de forma alternativa às diversas formas de arte contemporânea, buscam com paixão, na harmonia de formas e no esforço de aprender técnicas antigas, os meios indispensáveis ​​de expressão para  gerar uma arte figurativa que não é obsoleta, mas absolutamente em sintonia com os tempos “.

O modus operandi de Regoli e sua escola se encaixa perfeitamente no projeto “La Forma della Bellezza”, concebido e promovido pela Associação Cultural “Biagiotti per l’Arte”, a fim de apoiar e reforçar aqueles que, públicos ou privados, No campo das artes figurativas, eles fazem o máximo para ensinar aos seus jovens estudantes as técnicas e os segredos que fizeram da Itália a maior forja de talentos artísticos do mundo.

A Associação, baseada em Pienza, fortemente desejada pela família Biagiotti, que por muitas gerações tem lidado com alto artesanato com grande sucesso, tem como ideia básica a absoluta necessidade de evitar nosso gênio nos campos artesanais e artísticos, pelo qual somos universalmente conhecidos e apreciados, está irremediavelmente perdido.

Fotos da Exposição: