A TV aberta e a  NETFLIX 

 

A TV aberta sempre foi uma das maiores opções de entretenimento e fonte de informação do brasileiro. Num país onde a leitura de jornais e revistas, sem considerar os livros,  não é um hábito, como deveria ser, os telejornais ao menos cumprem essa função de informar e retratar  nossas mazelas, que de tantas,  ocupam grande parte do horário de qualquer noticiário.

Anos atrás,  Boni, o mago da televisão brasileira,  profetizou que as novelas,  com o tempo,  não seriam tão importantes no horário nobre porque a audiência tenderia a cair por conta da concorrência que seria travada com os canais fechados. Essa profecia não se cumpriu com a popularização da TV fechada,  mas agora está diante de um novo desafio – Netflix, que é uma provedora global de filmes e séries de televisão via streaming, atualmente com mais de 100 milhões de assinantes no mundo –.

Fundada em 1997 nos Estados Unidos, a empresa surgiu como um serviço de entrega de DVD´s pelo correio. Depois da Netflix surgiram outras provedoras na mesma linha do serviço de streaming (Amazon Video, Google Play filmes, Cracke da Sony, Looke e Now Net Claro), e cada qual com o seu público,  mas que,  somados não alcançam o número de assinantes da pioneira. Hoje,  as séries ganharam o gosto do brasileiro e é fascinante assistir um ou mais capítulos, que invariavelmente sempre deixam a vontade de ver o seguinte a ponto de se lamentar quando a história está próxima do fim.

Afora isso, a TV fechada exibe ao vivo jogos de futebol dos campeonatos europeus em praticamente todos os dias da semana, sendo que aos domingos é difícil escolher o melhor  diante de tantas opções, em detrimento do baixo nível dos jogos dos campeonatos nacionais. Esse público,  obviamente,  migrou da TV aberta, que é o berço de tudo e que está sendo obrigada a se reinventar com uso da plataforma da internet e todos os seus ilimitados recursos que já existem nos serviços streamings.

O fenômeno Netflix está mudando o hábito de muitos telespectadores e a tendência é crescer cada vez mais, sendo que dos 40 milhões de assinantes fora dos EUA, mais de 6 milhões estão no Brasil,  país onde se  registra um crescimento exponencial a cada ano.

Produzindo seus próprios filmes e séries impecáveis,  a provedora está tentando quebrar a resistência dos regulamentos  rígidos dos festivais que só premiam filmes feitos para o cinema e,  não tardará muito a obter prêmios importantes, podendo até mesmo concorrer ao Oscar. Isto, se a Academia deixar!

A propósito, enquanto você termina de ler essas linhas, o colunista com a sua esposa Celinha, já deverão ter assistido, pela Netflix,  o sexto e último capítulo da segunda temporada da série de “La Casa de Papel” –   uma fascinante produção espanhola que conta a história de um assalto à casa da moeda em Madrid –  uma trama cheia de drama e suspense sobre 8 assaltantes e um plano genial. Imperdível!

advogado tributário     www.buchadvocacia.com.br    [email protected]