A Palmeira Imperial

 

Toda a pensão estava vendo televisão naquele domingo à noite, todo mundo da mesma classe de cursinho na mesma pensão; quando Orlando chegou da praia. Seu fusquinha ainda entrava na garagem e antes de descer já foi pedindo ajuda para o pessoal

– Gente, me ajude aqui com as coisas, pois estou com as mãos ocupadas.

Orlando segurava um vasinho nas mãos com um cuidado excessivo. Dizia que era uma muda de Palmeira Imperial, comprada na estrada de Santos, que era uma planta muito delicada e não queria que ninguém chegasse muito perto. A plantinha não suportava muita gente ao seu redor. Todos imediatamente se tornaram protetores da palmeirinha e, intimamente sócios do Orlando nos cuidados. Mas não teve acordo: o dono estava irredutível.

– Pessoal, não quero ninguém mexendo no meu vaso. A vendedora já me explicou como cuidar dele. Ele inclusive não suporta mau-olhado e nem fumaça de cigarro, portanto deixem ele comigo.Só eu cuido dele.

E por mais que tentássemos ao menos molhá-lo de vez em quando, encontrávamos sempre a presença implacável do Orlando:
– Não. Vocês não sabem molhar. Deixem que eu faça isto. E realmente ninguém conseguia chegar muito perto da plantinha.
– Ela já está acostumada comigo, dizia.

Entretanto, depois de alguns dias, aquela viçosa folhinha de palmeira começou a definhar. Não crescia e estava amarelando. Orlando estava ficando muito preocupado, pois no momento aquela palmeira era sua paixão. No mesmo dia chegou na pensão com um pacote de adubo que daria para um pomar inteiro e traçando umas linhas na terra do vaso, colocou-o com uma colherinha de café.
– Falei com meu professor de botânica e ele me deu uma aula de adubação. Em dois dias ela se recupera e começa a crescer.

Mas não houve melhora, e apesar dos inúmeros palpites dos colegas que também sofriam com a doença da planta e que mesmo mantidos a distancia por Orlando se achavam também um pouco donos dela, ela continuou a piorar.

Numa ultima tentativa de salvar a sua Palmeirinha Imperial, Orlando voltou a Santos para ver se encontrava a vendedora e lhe pedir orientação, mas não mais a encontrou.

Naquele dia o constrangimento foi geral na pensão, quando Orlando muito chateado deu a palavra final.

– É pessoal, acho que ela morreu. Não tem mais jeito.
De repente um iluminado deu o único palpite aceito pelo Orlando desde a chegada da planta.
-Acho que deve ser um verme subterrâneo que a matou. Vamos ver se o pegamos. Vamos arrancar a muda e pega-lo.

– Arrancar não. Vamos retirá-la do vaso, interveio o dono, já tratando a muda como se fosse um parente falecido. E assim o fez. E qual não foi a sua surpresa assim como a de todos, quando saiu apenas uma folha um misero galhinho do vaso, sem nenhuma raiz. Orlando fora ludibriado por uma espertinha de beira de estrada, que lhe limpou uma grana preta. Sim, porque Palmeira Imperial era uma planta muito rara e delicada, e por isso mesmo, muito cara.

– Orlando ficou impassível e calado por alguns segundos. De repente olhando para todos falou solenemente: – Nunca mais tomo nem água de coco. Nem jogo do Palmeiras eu quero ver… e também nunca mais plantarei uma Palmeira Imperial.

Nenhum daqueles estudantes riu em respeito ao sofrimento do amigo, mas todos tinham uma certeza: ali acabava a brilhante carreira de um futuro grande agrônomo!

Compartilhar Notícia

Notícias relevantes